(18/05/06) A farra das comunidades do Orkut pode estar perto do fim. Por bem ou por mal. Quem avisa é o Ministério Público Federal, que vai pedir à Justiça a abertura de inquéritos policiais para investigar a ausência do Google na prestação de informações sobre os crimes contra os direitos humanos cometidos por comunidades do seu site de relacionamento Orkut. Procuradores também ameaçam entrar com uma ação civil pública que pode resultar em multas e até na “desconstituição” da empresa no Brasil, hoje com escritório de representação para fins comerciais.

Segundo o procurador Sérgio Suiama, a diretoria do Google poderá ser responsabilizada por desobediência judicial, favorecimento ao crime e participação, como co-autora, na divulgação de pornografia infantil, já que o Orkut hospeda comunidades com conteúdo desse tipo. Uma reunião entre o MPF e a diretoria da empresa no Brasil estava agendada para terça-feira, 16, mas foi cancelada pelo Google Brasil. “Em virtude da recusa desse Ministério Público Federal em realizar uma discussão mais abrangente, com a participação de todos os entes relacionados ao tema”, argumentou o site.

Google se refere à Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, com a qual o vice-presidente de Desenvolvimento Empresarial e Assessor Jurídico da Google Inc., David Drummond, esteve reunido em 26 de abril deste ano para debater sobre o assunto. Na reunião, o Google se comprometeu a colaborar com as autoridades brasileiras nas investigações. Na época, Drummond disse que um grupo de advogados do site viria ao Brasil em duas semanas para discutir a forma de colaboração.

Em nota divulgada na quarta-feira, representantes do Google Inc. confirmaram presença em outra reunião convocada pela comissão na próxima terça-feira, em Brasília. “Acreditamos que podemos desenvolver um diálogo produtivo no Brasil em conjunto com todas as partes envolvidas e mantemos nosso compromisso de, continuamente, desenvolver ferramentas que permitem aos moderadores de comunidades suprimir usuários anônimos e conteúdos impróprios e estamos à disposição para responder a todas as perguntas relacionadas ao Orkut”, informou a nota.

O documento ressaltou ainda que o escritório de representação no Brasil não pode prestar esclarecimentos sobre o conteúdo ilegal pois o Orkut está hospedado em servidores nos Estados Unidos. “Reitera que o Orkut é um serviço do Google Inc., cuja operação está fisicamente baseada nos Estados Unidos e Reino Unido. O Google Brasil é um escritório de vendas que nada tem a ver com as operações do Orkut, não tem acesso às suas informações e não tem controle sobre o serviço.”

Pedofilia

“O Orkut é um paraíso para os pedófilos, para distribuir fotografias, fazer convites, achar dados e endereços das crianças”, afirmou Thiago Tavares, presidente da ONG Safernet, que recebe as denúncias de sites com conteúdo criminoso, como racismo, nazismo, homofobia e principalmente pedofilia infantil, hoje a primeira no ranking.

Há no próprio Orkut um mecanismo para denunciar uma comunidade. Desta forma, ela é retirada do ar. “Mas queremos que ela seja retirada do ar e preserve as provas do crime. Com exceção do Google, todos os outros provedores têm feito isso”, esclareceu Tavares.

Até agora, o MPF pediu a quebra de 17 sigilos de dados telemáticos referentes a 22 comunidades do Orkut, sendo que 12 foram aceitos pela Justiça. O Google forneceu informação de apenas uma até agora. Outras quatro quebras deverão servir de apoio para a abertura de inquérito policial. Na mira do Ministério Público ainda estão outros 28 perfis e duas comunidades.

De Paulo Baraldi, do estadao.com.br

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *