que eu era fogo na roupa, fazia de tudo e mais um pouco, cheguei ate tomar cloro não morri proque Deus é muito bom, a cidade e um casamento parou,afinal eu era muito arteira.

Autora:Juliana Luiza de Oliveira Damasio, 19 anos, do posto AcessaSP de Iepê

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *