Ae, tudo bem? Sou Maurício, aquele jornalista que cuida do portal do AcessaSP, que passou umas dicas de animação semana passada. Espero que tenha interessado.

Como prometi, hoje vou falar algo de fotografia. Geralmente o pessoal gosta de fotografar… Mas falta conhecer alguma técnica.


E não há problemas para se ter uma máquina: se você não tem uma máquina fotográfica digital, pode ter um celular que tira fotos, ou então uma câmera de filme mesmo, com negativo pra revelar. Tem de todos os jeitos, de todos os preços. Até descartáveis… Você pode ter uma idéia dos valores de máquinas no Mercado Livre, um bom lugar para pesquisar preços de qualquer coisa (e comprar): http://cameras.mercadolivre.com.br/

Além disso, qualquer um pode fotografar: é só apertar um botão.

É bom ter em mente, no entanto, que até 1888 (120 anos atrás) a fotografia era coisa só para profissionais. Foi nesse ano que o estadunidense George Eastman desenvolveu a primeira câmera portátil, de nome bastante famoso até hoje: KODAK. A partir daí sim, se poderia começar a dizer, como era o slogan do novo produto: “Você só aperta o botão e nós fazemos o resto!”

A máquina era vendida com um filme em rolo de papel suficiente para tirar 100 fotografias. Veja o charme do sr. Eastman aí do lado, em foto tirada em 1890 por Félix Nadar.

Também é importante reparar que, se não houvesse um público de classe média ansioso por tirar fotos e mais fotos, orgulhosamente registrando cada momento de sua vida, num desejo de ao menos tornar a sua imagem “eterna”, não seria possível o desenvolvimento industrial das máquinas e seus acessórios. Se alguém oferta, é porque alguém procura, certo?

É claro que, sendo invento dos EUA, a coisa demorou um pouco mais para chegar no Brasil: em 1920, a Kodak montou um escritório no Rio de Janeiro; em 1933, em São Paulo. Veja só, faz somente uns 75 anos que temos aqui em São Paulo essa facilidade de tirar fotos apertando um botão.

Já as máquinas digitais só apareceram em 1990, também pela empresa Kodak. Nesse ano, foi lançada a DCS 100, a primeira câmera digital comercialmente disponível. Mas, nessa época, ainda era muito cara! Demoraria mais uns dez anos para realmente as câmeras digitais ficarem mais baratas e populares.

Fontes (pesquise mais!):

Girafamania – História da Fotografia: http://www.sergiosakall.com.br/montagem/fotografia4.html

Kodak – História: http://wwwbr.kodak.com/BR/pt/corp/sobre_kodak/historico/…

StampaPhoto – História de George Eastman: http://www.stampaphoto.com.br/historia_13.html

Dicas e técnicas

E assim foi possibilitada a fotografia de amador, pra quem quiser. Ou seja, apesar de não ser profissional, a pessoa fotografa porque AMA fotografar (ou pelo menos gosta um pouquinho). É claro que as fotos têm muita chance de acabarem não saindo muito boas… Mas, como qualquer coisa, é possível aprender algumas técnicas simples e melhorar bastante sua qualidade.

Acredito que o principal é:

Evite colocar o principal de sua foto bem no meio dela! Procure colocar mais no canto… Seguindo a “Regra dos Terços”, como na imagem ao lado. Assim a foto dará uma sensação de mais movimento, o olho correndo melhor pelos traços da imagem. O site Herbário explica detalhadamente sobre isso, leia mais.

Esteja perto do que você fotografa! Há uma frase muito importante do consagrado repórter fotográfico de guerra húngaro Robert Capa (1913-1954): ?Se sua fotografia não é boa, é porque não estava suficientemente perto!?

Por quê?

1-Fotos não tremidas: A primeira razão é que, quanto mais você se distancia, mais zoom é necessário; e quanto mais zoom é usado, maior é a chance de a foto sair tremida. Uma comparação cabível é: imagine se você estivesse segurando um ovo com uma colher bem comprida. É mais fácil fazer isso segurando na pontinha próxima do ovo, no meio da colher, ou na pontinha do outro lado?

2- Fotos singulares: A segunda razão da importância de se estar bem perto é para fugir do olhar banal, comum, mostrar detalhes que normalmente não são vistos pelo olhar cotidiano.

3- Impacto: A terceira razão é para a pessoa que está olhando a foto se sentir no local da ação. Você sentiria mais impacto com uma foto de um tigre enorme na sua frente ou com uma foto de um tigre distante?

4- Luz: Para haver fotografia, luz é necessária. Aí está outro motivo para fotos de perto: o flash da câmera é normalmente pequeno e não consegue chegar até o objeto retratado.

Consulte também as interessantes dicas dos sites:

Site Herbário – Manual de Composição: http://www.herbario.com.br/fotoweb/mav08.htm

Empresa Stampa Photo: http://www.stampaphoto.com.br/dicas.html

Site Planeta Eventos: http://www.planetaeventos.com/Turismo/foto.htm

HP – Dicas para fotos de família: http://www.compaq.com.br/lar/aprenda/1203_consejo_foto_flia.html

Bom, é isso. Manda ver!

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *