Olá, pessoal!

Meu nome é Tíssia e trabalho aqui na Escola do Futuro em duas frentes distintas: Mediação de Ambientes Virtuais de Aprendizagem e produção de conteúdo educacional. Legal, não é mesmo? Eu adoro… :-D

É ótimo postar nesse blog e tenho muita coisa legal para contar, mas preciso escolher um tema só (que pena… ). Então, essa semana, falarei um pouco sobre o que é ser uma mediadora e sobre a educação a distância (EAD), que estamos implantando por aqui.


A Educação a Distância – ou EAD – é uma metodologia de ensino fundamentada em linhas pedagógicas, na qual os alunos utilizam outros meios para aprender, interagir com os professores e colegas, assimilar conteúdos, não contemplados e utilizados pela educação presencial e tradicional. O ensino se desloca do professor para o aluno, levando em conta suas diferenças e disponibilidades.

O que isso traz de novo? A EAD pode utilizar rádio, televisão ou qualquer outro meio de comunicação para chegar até seus alunos. No nosso caso, esse meio de comunicação e interação se dá através da internet, em ambientes de aprendizagem criados exclusivamente para promover navegabilidade, leitura dos conteúdos, realização de atividades e interação com os demais participantes. Dessa forma, a construção do conhecimento não acontece de forma isolada e sim em colaboração, o que a torna muito mais significativa.

Percebem que a estrutura de um curso a distância é bem complexa, não é? Dentro desses cursos, o aluno encontra a figura do professor, chamado agora de facilitador – ou, no nosso caso, capacitador – que constrói junto com os alunos a cada desafio, e não aquele que detém todo o conhecimento.

A outra figura presente num curso de EAD é a do mediador pedagógico (sim, sou eu! ;-) ). Esse profissional cuida da organização dos fóruns, da motivação dos alunos e da humanização do ambiente, o que, numa educação a distância, faz toda a diferença. Os alunos participam mais quando sentem alguém por detrás da tela.

Pode parecer fácil mediar ambientes virtuais de aprendizagem. Porém, profissionais nessa função precisam conhecer o conteúdo, analisar o discurso das mensagens e saber o que dizer e em qual tom escrever para atingir e facilitar os objetivos pedagógicos propostos…

Acho que escrevi demais, pessoal! A gente se vê de novo no dia 30, certo? ;) Beijos carinhosos.

Tíssia Nunes.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *