Antes limitados, os tons de celulares hoje abrangem todos os públicos com preços variados.

Trocar figurinha para completar álbuns de papel é um hobby antigo. Agora essa brincadeira deu espaço para uma nova mania: a troca de ringtones, toques musicais que personalizam as ligações recebidas no celular. E essa diversão não é apenas coisa de adolescente ou criança. A motorista de táxi Lia Scarparo, de 48 anos, por exemplo, tem um som diferente para atender chamadas de cada integrante da família, principalmente, para o namorado.

“O som dele era o do plantão de notícias urgentes da Globo, mas mudei para uma música da Ana Carolina com o Seu Jorge. É muito divertido. Há toques de todos os tipos e você ainda pode criar o seu”, diz a taxista, que trabalha nas ruas de São Paulo.

Lia começou a trocar ringtones há dois anos por causa das amigas de sua filha adolescente. “É um jeito ótimo de personalizar quem está ligando para você. É prático porque enquanto dirijo não preciso me preocupar em identificar quem me liga”, conta a taxista exibindo cerca de dez toques mais variados armazenados em seu celular.

Para entrar para a brincadeira, Lia comprou um celular mais moderno, com Bluethooth. Ela ressalta que só assim se consegue trocar os arquivos de graça entre aparelhos que tenham a mesma tecnologia de ondas de rádio. “As meninas baixam da Internet e me passam sem nenhum custo”, diz.

Assim como Lia, outros usuários de celulares estão entrando nessa onda. Constatação disso é uma pesquisa realizada pela Nielsen Mobile na América Latina sobre os conteúdos multimídia mais acessados pelos usuários. No Brasil, os ringtones aparecem como o terceiro serviço mais baixado pelo assinantes. Em primeiro lugar estão os download de música com participação de 14%, seguido de papel de parede com 11% e ringtones com 8%.

Como colecionar ringtone
Além de trocar os arquivos usando o Bluethooth, os usuários de celular podem baixar os arquivos da Internet, gravar no computador e depois passar para o dispositivo, via cabo especial.

É possível também fazer o download dos arquivos diretamente via WAP (Wireless Application Protocol), que é um protocolo que permite o acesso a Web pelo telefone habilitado para esse canal, utilizando uma linguagem e tecnologia específicas (WML e WML script). A conexão pelo WAP é mais lenta que a atual terceira geração de telefonia móvel, que promete navegação pela Internet sem fio em alta velocidade.

Quanto custa
O preço das músicas varia de R$ 3 a R$ 6 a unidade, mas também há a opção de assinar o serviço mensal. Fora o toque, o usuário precisa pagar pelo tráfego dos arquivos, ou seja, pelo download na rede das operadoras móveis. A TIM, por exemplo, cobra nos planos pré-pago e Conta Fixa, R$ 0,55 para cada minuto de acesso ao TIM WAP. Já a Vivo cobra R$ 0,05 (por Kilobyte) e R$ 0,075 (por Kilobyte em roaming) nos planos pré-pagos.

Tanto usuários pré-pagos como os pós-pagos podem baixar sons, a forma de download é a mesma, o que muda é a forma de cobrança. Para os assinantes pós-pagos, a quantia vem na fatura mensal. Para quem tem plano pré-pago, o valor é debitado dos créditos em conta.

Celular compatível
Para entrar nessa onda é preciso primeiro habilitar o celular para WAP (cada operadora tem um código diferente). Depois é necessário saber se o seu celular é compatível com os diferentes tipos de toques. Os sites de download de ringtones, geralmente, têm um campo de identificação de modelos. O internauta coloca o número do telefone e o sistema indica o tipo de som que pode ser baixado. Os toques podem ser encontrados em portais de notícias, páginas especializadas, site das operadoras, sites de download, de buscas, gratuitos, entre outros.

Tipos de toques
Há os tons monofônicos que se caracterizam por tocar um único som, próprio da campainha (toque) do celular. Existem os polifônicos que simulam o som de vários instrumentos simultaneamente, como guitarra, violino, flauta, bateria e muito mais. Outra opção são os dos tons MP3 que são arquivos de áudio real (true tones), os quais não têm sintetização de canais para reprodução dos tons – são tocados por celulares atuais que suportam MP3 ou OGG. Há ainda os key tones que são notas musicais digitadas no celular, comuns em celulares Nokia.

Crie o seu
Além de comprar um toque pronto, é possível criar o seu com a ajuda de softwares especiais que usam o formato MIDI. Diferentemente de outros formatos (como o formato WAV e MP3), um arquivo MIDI não contém o áudio propriamente dito, e sim as instruções para produzi-lo, ou seja, é basicamente uma partitura digitalizada. Essas instruções definem os instrumentos, notas, timbres, ritmos, efeitos e outras características que serão utilizadas por um sintetizador para a geração dos eventos musicais. Para manejar esse tipo de arquivo, tanto o computador como o celular precisa de programas próprios para esse formato.

Do WNews

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *