A partir de agora as empresas de produtos eletrônicos são responsáveis pela sua reciclagem

Lixo eletrônico é o termo usado para nomear os resíduos resultantes da obsolescência de equipamentos eletrônicos: celulares, pilhas, baterias, computadores, aparelhos de som etc.

Para se ter uma idéia da grandiosidade do problema representado pelo descarte desses resíduos hoje, observe os números abaixo:

“A ONU calcula em 50 milhões de toneladas o lixo tecnológico descartado anualmente no mundo. O Brasil tem participação nada desprezível, pois se comercializam no País, em média, mais de 12 milhões de computadores por ano e, de acordo com dados do Comitê de Democratização da Informática, mais de 1 milhão desses aparelhos são descartados anualmente. Em 2008 foram vendidos 11 milhões de televisores e, de cada 100 brasileiros, 82 possuem telefones celulares, conforme a Agência Nacional de Telecomunicações” (http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20090712/not_imp401413,0.php)

O grande problema é que esses resíduos via regra são descartados sem maiores cuidados, indo parar em lixões ou em aterros comuns. A partir desse momento, esses materiais transformam-se num sério risco para o meio ambiente, pois possuem em sua composição metais pesados altamente tóxicos, tais como mercúrio, cádmio, berílio e chumbo. Estes produtos, em contato com o solo, contaminam o lençol freático ou, se queimados, poluem o ar.

Mas a boa notícia é que a maior parte deste lixo pode ser reutilizado em equipamentos novos ou reciclado em outros. O problema é o que fazer para impedir que todo esse material a ser reciclado seja levado aos centros de reciclagem antes de serem atirados nos aterros e lixões das grandes cidades.

Em São Paulo a solução encontrada foi convertida em lei estadual, promulgada pelo Governador José Serra em 12 de julho.

Trata-se da Lei 13.576/09 que institui normas para a reciclagem, gerenciamento e destinação final do lixo tecnológico. Segundo a nova lei, fabricantes, importadores e comerciantes desses produtos, que atuem no Estado de São Paulo, terão que reciclar ou reutilizar, total ou parcialmente, o material descartado. Se o reaproveitamento não for possível, esse lixo terá que ser neutralizado, em benefício do meio ambiente e da saúde pública.

Além do mais, a lei 13.576/09 traz em seu texto exigências para que a população seja informada sobre os riscos do produto que está comprando. Rótulos e embalagens devem trazer detalhadamente a identificação de metais pesados e substâncias tóxicas presentes na composição do produto. Outra exigência da lei é a indicação no rótulo do endereço e o telefone dos postos de descarte.

A situação no plano federal

Desde 1991 encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados em Brasília um projeto de lei (PL 203/91) que trata da aprovação de uma Política Nacional de Resíduos Sólidos. Ocorre que sem que fosse apresentada nenhuma justificativa “um ‘grupo de trabalho’ alterou a redação do artigo 33, que regulamenta a logística reversa e a reciclagem, e retirou a menção aos produtos eletro-eletrônicos. Com essa alteração, o projeto de lei que deveria criar a Política Nacional de Resíduos Sólidos passa a ignorar a existência do lixo eletrônico, problema crescente e de alto custo sócio-ambiental.” (lixoeletronico.org)

Por conta dessa mudança, o blog Lixo Eletrônico.org está organizando um abaixo assinado com o objetivo de levar os deputados a incluírem de novo no corpo da lei a menção do lixo eletrônico. Saiba mais a respeito dessa iniciativa clicando aqui: Lixo Eletrônico

Do Acessa Escola

Compartilhe!
Tagged with:  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *