Igreja matriz de Ariranha-SP

O monitor Helio Martins, do posto do Acessa SP de Ariranha, na região administrativa de São José do Rio Preto, conta a história de seu município. Confira!

Ariranha foi undada por Januário D’Antonio em 1892.

Povoada a partir da “Pousada das Três Marias”, situada à margem direita do córrego Ariranha, na região conhecida por São Bento de Araraquara, comarca de Jaboticabal.

Segundo Januário D’Antonio, o povo deveria chamar-se Vila de São João, invocando a proteção do santo para as fortes geadas do mês de junho, que destruíam os maravilhosos cafezais da região.

A cidade recebeu o nome de São João Batista de Ariranha e o levantamento de um cruzeiro construído de aroeira, ao lado da Pousada Três Maria, deu início a sua história.


Em 1902, a Vila São João das Ariranhas ganha sua primeira igreja e um coreto.

Toma-se Distrito com a Lei Estadual 1104, de 30 de novembro de 1907, desmembrado de Monte Alto.

A pequena Vila revigora-se com a união de imigrantes desbravadores da região, cuja fibra e perseverança tornam-a cidade modelo do País.

Marco significativo para o Município, em 1907, ocorre a instalação da primeira indústria de produção de cerveja e gasosa (guaraná).

Em 1911, a Igreja se fortalece com a vinda do Padre Fidelis Arueta.

A criação do Município data de 10 de abril de 1919 com o prefeito Júlio Gonçalves nomeado pelo governador. Chega a luz elétrica e com ela o progresso.

Em 1923, sua primeira eleição para prefeito, com a vitória da Souza Lima.

Ariranha se engaja na vida futebolística em 1918 com o “Clube do Dedão”. Em 1944 forma-se o Ariranha Futebol Clube sob direção técnica de Luiz Lopreto e Chiquinho Belissário, hoje, Esporte Clube Ariranhense,fundado em 1980.

Surge, em 1925, a imprensa, com o jornal ‘’O Município’’, tendo como seu fundador Antonio Elias Barbosa .

Ariranha preserva sua cultura rica em festas populares, educação privilegiada e população consciente de sua cidadania.

Cidade singela e feliz que guarda o nome, de origem indígena, de um animal ameaçado de extinção, a ariranha.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *