A expectativa do MEC é a de que todas as universidades federais abandonem seus vestibulares próprios até 2012, adotando o ENEM como prova de ingresso

Quatro milhões e meio dos 5 milhões de jovens brasileiros que vão tentar garantir uma vaga na universidade neste ano vivem as angústias típicas de um momento decisivo, e mais uma: eles compõem o primeiro grupo de estudantes que fará o novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), prova recém-criada pelo Ministério da Educação (MEC) com o objetivo de substituir o velho vestibular.

A mudança estreia em 23 das 55 universidades federais do país e em mais 500 faculdades particulares. Outras 500 instituições, entre elas Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), também vão adotar o Enem, mas apenas como parte de seu processo seletivo.

A expectativa do MEC é que, até 2012, todas as federais abandonem seu concurso. Desde 1911, quando surgiu o primeiro vestibular no Brasil, não se via uma transformação tão radical, e ela é um avanço em pelo menos dois aspectos. O primeiro diz respeito ao conteúdo da prova. Enquanto o velho vestibular exige do aluno a memorização de uma quantidade colossal de fórmulas, datas e nomes, o novo exame procura aferir, basicamente, a capacidade de raciocínio em questões que combinam as várias áreas do conhecimento e traduzem a vida real.

Outro aspecto se refere à implantação do sistema unificado de prova. O exame será o mesmo em todas as faculdades em que for adotado. Isso significa que, com uma única nota, o aluno terá agora em mãos um passaporte de entrada para centenas de universidades em todo o país.

Mais complexa e abrangente do que o extinto Enem, criado pelo MEC em 1998, a nova prova foi concebida sob a inspiração do Scholastic Assessment Test (SAT), o exame de admissão às universidades americanas, e do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), teste internacional que afere a qualidade do ensino. As iniciativas são consideradas as mais evoluídas no mundo das avaliações atualmente.

Para o coordenador do Pisa, Andreas Schleicher, com tanta informação disponível na internet, não faz mais sentido querer medir quanto conhecimento o jovem armazenou na escola, mas, sim, como ele é capaz de processar essas informações para chegar à solução de problemas concretos. Sob esse prisma, tirando algumas boas exceções, o vestibular se tornou uma prova anacrônica, que, com o tempo, foi deixando de espelhar as reais demandas da própria sociedade. O que se espera dos jovens hoje, afinal, é que se tornem profissionais com elevado grau de raciocínio e inventividade para lidar com um crescente número de situações inesperadas.

A maioria das escolas de nível médio, inteiramente voltadas para treinar os jovens para o vestibular, acaba valorizando o excesso de “decoreba” e de conteúdo em detrimento de um mergulho mais aprofundado nos assuntos. Espera-se que a prova do MEC influencie positivamente o ensino médio do país. Para a doutora em educação Maria Inês Fini, os alunos absorvem poucos dos conceitos essenciais na escola. “É preciso repensar com urgência esse sistema”, diz. Repaginar um modelo de ensino não é exatamente um processo rápido, mas o Enem já começou a dar um empurrão nas escolas nessa direção. A prova do Enem ocorrerá nos dias 3 e 4 de outubro.

Fonte: Revista Veja

Do Portal da Juventude

Compartilhe!
Tagged with:  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *