Vila Curuçá recebe o primeiro dos nove centros públicos de formação e difusão cultural que serão inaugurados nas periferias da capital.

O governador Geraldo Alckmin inaugurou, neste sábado, 19, a primeira Fábrica de Cultura, na Vila Curuçá, zona leste de São Paulo, ação inovadora na área de artes e cultura. Ao todo, serão entregues nove prédios de 6 mil m², que já estão sendo construídos em regiões periféricas da capital: Cidade Tiradentes, Sapopemba e Itaim Paulista (zona leste); Brasilândia, Vila Nova Cachoerinha e Jaçanã (zona norte); Capão Redondo e Jardim São Luís (zona sul).

Nas Fábricas de Cultura, serão ministrados gratuitamente cursos e oficinas voltados à formação em todas as áreas das artes do espetáculo. Além disso, o edifício será um espaço de difusão cultural, oferecendo espetáculos das mais variadas áreas para toda a comunidade, sob a coordenação da Secretaria de Estado da Cultura.

“A construção dos nove prédios e a implantação de um amplo programa artístico em bairros com poucas oportunidades culturais fazem parte de um dos grandes objetivos da Secretaria e do Governo do Estado, que é a democratização da cultura de qualidade”, afirma o Secretário Andrea Matarazzo. “É importante que as crianças e jovens tenham a oportunidade de desenvolver um olhar crítico sobre a arte e sobre a vida. A cultura tem o poder de transformar as pessoas e ampliar suas possibilidades”.

A partir do dia da inauguração, durante todo mês de março, jovens de 14 a 24 anos poderão participar de workshops com os educadores, que explicarão sobre cada curso, em aulas experimentais. Para participar, o aluno precisa apenas comparecer à recepção da Fábrica de Cultura, sem necessidade de inscrição prévia.

Já para as inscrições dos cursos oferecidos, os interessados devem comparecer à recepção da unidade ou se inscrever diretamente com o educador. Basta o aluno se informar sobre a faixa etária de cada curso.

O prédio

A Fábrica de Cultura da Vila Curuçá é formada por dois prédios integrados: o Teatro, que abriga todos os equipamentos necessários para a produção de grandes espetáculos, e o edifício de Múltiplo Uso, que reúne as salas de artes, biblioteca, salas multiuso, espaços administrativos e pedagógicos, refeitório e ambulatório.

Cada unidade da Fábrica de Cultura tem o custo de cerca de R$ 12,5 milhões. As unidades seguem um padrão arquitetônico e têm diversos espaços de múltiplo uso e salas específicas para as atividades práticas e teóricas de teatro, dança, música, circo, audiovisual e artes plásticas, além de biblioteca e teatro.

O programa Fábricas de Cultura

O objetivo do programa é promover a participação de jovens de distritos vulneráveis da capital em atividades artísticas e culturais que contribuam para seu desenvolvimento e inserção social.

O programa Fábricas de Cultura começou em 2007, com ações artístico-culturais para crianças e jovens de 7 a 19 anos, moradores de bairros com baixos indicadores sociais. Desde então, as atividades foram realizadas em equipamentos culturais das regiões, até a conclusão dos prédios.

Cada unidade vai contar com uma biblioteca, em que, seguindo o modelo de sucesso da Biblioteca de São Paulo, a literatura será aliada da tecnologia. As bibliotecas das Fábricas terão acervo inicial de 2 mil livros e serão equipadas com computadores. Nos Ateliês de Produção serão oferecidos cursos de formação e atividades de mobilização nas áreas de teatro, dança, capoeira, circo, música em geral, literatura, artes plásticas, vídeo e fotografia. Na Vila Curuçá, o objetivo é atender 1,2 mil nos ateliês.

As fábricas ficarão abertas à comunidade aos fins de semana, com apresentação de espetáculos e com o programa Fábrica Aberta, que vai oferecer o espaço e os equipamentos para pesquisa, ensaio, produção e difusão da produção cultural local, além de encontros e seminários de profissionais da área da cultura. As Fábricas de Cultura serão equipadas com teatros, com capacidade para 300 pessoas, que terão espetáculos profissionais e também produções locais, além das apresentações criadas nas Fábricas.

Investimento do BID

Desde quando foi criado, em 2007, o programa Fábricas de Cultura conta com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). As regiões de atuação foram escolhidas a partir de pesquisa realizada pela Fundação Seade, que desenvolveu, especialmente para esse trabalho, o Índice de Vulnerabilidade Juvenil, composto por indicadores que influem nas condições de vida dos jovens. O investimento do BID foi de US$ 20 milhões. De 2004 até dezembro de 2010, foram gastos US$ 12 milhões, entre obra e custeio do programa. Em maio de 2010, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, foi renovado o empréstimo por mais dois anos, para o uso do saldo contratual US$ 8 milhões (cerca de R$ 15 milhões).
Fonte: ASSESSORIA DE IMPRENSA SEC
Data: 18/03/2011

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *