Com a chegada do novo software em outubro, empresas avaliam a hora a certa de fazer a mudança, já que o suporte ao Windows XP termina em 2014

De acordo com o anúncio mais recente da Microsoft, as máquinas com Windows 8 chegarão ao mercado em outubro deste ano, porém isso não significa que as empresas devem entrar em pânico na hora de atualizar seus computadores, de acordo com especialistas. Apesar do novo sistema operacional oferecer ótimos novos recursos comparado às atualizações anteriores da Microsoft, nenhuma delas é tão convincente para que ela substitua os fatores práticos de negócios.

A plataforma, entretanto, é muito recomendável, diz Nick Golevich, analista de sistemas da PolyOne corp. Por exemplo, o Windows 8 dá boot rapidamente, demora menos tempo para criar uma imagem de PC do que o Windows 7 e sua interface Metro possui possibilidades interessantes para dispositivos utilizados em fábricas ou em setores de recursos humanos, afirmou. Contudo, assim como muitas outras empresas, a PolyOne ainda está no meio da transição do Windows XP para o Windows 7, esperando que isso seja feito a tempo até 8 de abril de 2014, quando o suporte ao antigo sistema operacional será encerrado. “O sentimento geral é: se nós já fizemos todo esse esforço para migrarmos para o Windows 7, porque teríamos que fazer tudo de novo quando aparecer o Windows 8 em apenas um ano?”

Essa é uma boa pergunta, questiona o analista da Gartner Michael Silver. organizações que passam por uma transição de sistemas operacionais sofrem do que ele chama de fadiga de migração e não querem enfrentar a mão de obra novamente, logo a resposta é esperar. Há outras razões para ir com calma, adicionou. O Windows 8 será lançado em outubro, o que significa que ele não estará pronto para ser difundido no ambiente corporativo por 18 meses ou mais, pontuou Silver. Isso significa que a data de início pode ser no início de 2014, próximo demais da data na qual o suporte do XP irá expirar. “Não há tempo o suficiente para cumprir o deadline. É preciso focar em abandonar o XP”, apontou.

Esperar também reserva mais tempo para que o Windows 8 se estabeleça como plataforma estável e prove que seus benefícios valem a pena no mundo corporativo, disse Nigel Fortlage, vice-presidente de TI da GHY International. A companhia acabou de terminar sua migração para o Windows 7 e apenas aceitou o projeto devido à aproximação do fim do suporte, e não porque tinha problemas com o Windows XP.

Mais dúvidas, menos problemas
Mesmo que optar pelo Windows 7 tenha aumentado as chamadas de help desk no início, a maioria das dúvidas era a respeito de como usar as novas ferramentas, e não porque havia problemas no computador que precisavam ser resolvidos. Após cinco meses, essa intensidade de chamados diminuiu, e o suporte do help desk está 80% menor do que quando as máquinas tinham XP instalado, destacou.

O objetivo é ter uma área de trabalho estável, que não necessita de um monte de esforços de TI para manter os usuários operantes sem educação contínua. É isso que ele tem a oferecer com a migração para o Windows 7, e Windows 8 não será atraente até que ele seja igualmente confiável. “Não quero lidar com isso por muitos e muitos anos, se posso ajudar”, disse.

Mas há casos em que faz sentido mudar para o Windows 8 antes, diz Silver, caso haja uma necessidade significante para fazer computação para tablet e suporte para Windows ao mesmo tempo. O Windows 8, com sua interface de toque, pode rodar em máquinas que possuem ambas as capacidades de tablet e laptop, respondendo pela necessidade de tablets e PCs em um único dispositivo. “É um benefício você poder comprar apenas um computador ao invés de ter que optar por um iPad ou um PC”, disse.

Tablets não são para qualquer um
Segundo Silver, embora iPads sejam benvindos em redes coorporativas, que possuem política de BYOD (sigla para “Bring Your Own Device”, ou “Traga seu Próprio Dispositivo”, em tradução livre), ainda assim não se encaixam no padrão de gerenciamento e infraestrutura de segurança das lojas Windows.

Uma empresa em que mais da metade dos dispositivos são tablets, é uma boa candidata para rápida aprovação do Windows 8. Ou mesmo companhias com baixa porcentagem talvez queiram trazer tablets com Win8 se já tiver passado algum tempo desde que adotaram o 7. Elas podem ter superado o cansaço da primeira migração e estarem preparadas para a próxima.

Empresas estabelecidas com Windows 7 podem considerar mudar para o 8 ao atualizar suas máquinas e laptops. Um coringa neste mix é o quão bem os tablets Windows 8 ficarão no mercado de consumo – algo que a Microsoft está claramente esperando, diz Silver.

Se eles se tornarem populares, podem começar a aparecer no trabalho como parte da consumerização. Então, dependendo do alcance de sua popularidade e da vontade dos superiores em receberem esses tipos de dispositivos, o setor de TI pode ser forçado a acomodar o Windows 8 antes que o esperado.

Enquanto isso, as empresas devem estar atentas ao impacto que o Windows 8 terá na infraestrutura de rede – segurança em particular -, gestão e aplicativos, diz Silver. O hardware de computadores pessoais deve ser avaliado e registrado para se certificar de que ele possa lidar com o novo sistema operacional. Quando o momento realmente chegar, pode fazer sentido amarrar as atualizações do Windows 8 com atualizações de hardware, isso se a transição do XP para o Windows 7 for alguma indicação. Ao menos é o que afirma Fortlage, da GHY International.

No meio da atualização, ele fez as contas e descobriu que era pelo menos igual ou 100 dólares mais barato comprar os novos desktops Windows 7 da Acer do que lidar com o problema de hardware em velhas máquinas com XP que realmente excederam as especificações do 7. O problema era a idade do equipamento e a probabilidade deles necessitarem reparos, Fortlage diz.

Planejamento é essencial
O software de gestão e segurança que será implantado nas máquinas também necessita de verificação para compatibilidade com o Windows 8, diz Silver. A Microsoft diz que os aplicativos executados no Windows 7 também irão rodar no 8, mas as empresas devem verificar com os fornecedores de aplicações sobre a veracidade disso e quais são seus planos futuros sobre desenvolvimento para Windows 8, diz ele.

Existem soluções alternativas, como a execução de apps incompatíveis em máquinas virtuais, mas tais opções devem ser minimizadas e alternativas devem ser buscadas. O planejamento para o Windows 8 deve se estender além dele mesmo, diz Silver. É possível que o Windows 7 seja bom o suficiente, especialmente se não houver necessidade da interface Metro da nova versão, diz Silver. Executar o sistema operacional em um PC tradicional não é tão benéfico a ponto de justificar o esforço da mudança.

“Se você acaba de fazer uma migração para o Windows 7 e não está procurando pela tecnologia touch, pode pular o 8″, diz ele. Aqueles que estão começando a utilizar a sétima versão são os que têm mais chances de pular, pois ele espera que o Windows 9, ou como quer que seja chamada a próxima versão, seja lançada em dois anos. “No momento em que eles ficarem cansados do XP e olharem em volta, terão a versão beta para Windows 9″, diz ele.

Fonte: IDNOW

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *