Francisco Lima da Silva, de Ituverava

Para Francisco Lima da Silva, 48 anos, o objetivo de participar da Campus Party era aprender mais sobre metareciclagem, tema do projeto que quer iniciar em seu posto em Ituverava. Mas as coisas acabaram indo para um rumo diferente. Francisco, que foi lavrador por muitos anos, resolveu não se intimidar e encarar o desafio da robótica. Logo no segundo dia, participou de uma oficina sobre o tema e sua equipe ficou em segundo lugar na competição final, uma “corrida” de robôs.

Francisco confessa que no início se sentiu um pouco deslocado. Os colegas de prática tinham alguma ligação de formação ou trabalho com o tema. “Quando cheguei pensei ter feito a escolha errada”, afirma o monitor, que só cursou até o Ensino Médio. Mas ter vindo preparado para a Campus Party fez a diferença. Além de ajudar na construção do robô, o material de solda serviu de “quebra gelo”, e entre bom papo e alguns empréstimos para outras equipes, acabou se enturmando. Francisco agora está todo orgulhoso de seu certificado da competição.

A desenvoltura com a tecnologia não veio facilmente para o monitor. Após entrar no Acessa São Paulo, em 2006, percebeu que seu trabalho ali não deveria se limitar a liberação de máquinas. Autodidata e curioso, passou a mexer nos computadores e fazer reparos. Entre tentativas e acertos, começou a dominar o processo de manutenção e a utilizar diversos programas. Quem sabe agora não é a vez dos robôs?

Blogadas

A monitora Silmara Aparecida Gonçalves conseguiu perceber que há entre os campuseiros o péssimo hábito da má postura. A maioria dos participantes do evento são jovens e costumam sentar de qualquer maneira em frente aos computadores, se apoiando ou quase deitados, comenta a monitora. Foi a faísca que faltava para ela relacionar tudo que aprendeu com seu projeto Postura Acessa, que tenta ensinar aos usuários a melhor forma de se posicionar a frente do computador, com a Campus. “Percebi que as pessoas não têm noção do perigo de uma má postura. Talvez se fosse mais divulgado, teriam mais cuidado”, afirma.

Rosana Cristina dos Santos, de Agudos, assitiu a um debate sobre Educomunicação e Inclusão Digital. Em seu blog, a monitora afirma que cerca de 85% das crianças brasileira têm acesso à internet, mas que apenas a metade delas sabem utilizá-la. E aponta que é papel dos educadores dar um bom direcionamento ao uso dessa ferramenta. “Os professores devem estar preparados para educar tecnologicamente as nossas crianças e adolescentes, para que possam fazer bom uso de toda a tecnologia que esta surgindo”, escreve.

Veja os blogs dos monitores que participam da Campus Party:

Alexandre Henrique Sebastião Nunes – Itu Prefeitura
Deizimar Ciriaco Gomes Araki – Quintana 
Eduardo Paschoal – Itirapina 
Edil de Queiroz – Riberão Grande 
Elaine Cristina Marciano – Tambaú 
Elizangela Aparecida de Souza – Maraba Paulista 
Evelin Daiane da Silva – Mirante Itesp/ Haroldina
Francisco Lima da Silva – Ituverava 
Francisco Natalino Candido – Colômbia 
Giselda dos Santos – Bom Prato São Vicente 
Leonardo Augusto Nunes de Ouliveira – Ouroeste
Lygia Maria Ferraz Bovo – Silvânia
Nelson José Barbosa – Macatuba 
Rosana Cristina dos Santos – Agudos 
Silmara Aparecida Gonçalves- Queiroz 
Viviam Sales Rodrigues – CIC Leste

 

 

Compartilhe!
Tagged with:  

Um comentário Um monitor campeão de robótica da Campus Party

  1. [...] Um monitor campeão de robótica da Campus Party [...]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *