Um dos segredos da repercussão estrondosa do Pokémon Go em mais de 30 países é, sem dúvida, o recurso da realidade aumentada. Mas esse não é o único jogo que tem essa interação entre o mundo virtual e o real. Confira outros games que podem divertir bastante, estimulando a moçada a buscar mais informações em livros, computadores, tablets ou celulares. As dicas são da start up Stoodi.

Jogo de geopolítica: SimCity

No SimCity. o jogador cria e controla a infraestrutura de uma cidade. Desde o lançamento do jogo, em1989, a qualidade dos gráficos melhorou bastante e os desafios ficaram mais complexos. Mas o que se manteve intacta em todas as edições foi a coerência com a realidade. Liberar o funcionamento de jogos de azar, por exemplo, pode impulsionar a arrecadação do município, mas também vai fazer a criminalidade aumentar. Se o “administrador” não souber investir de forma equilibrada nos diferentes setores da economia e não tiver claros conceitos de sustentabilidade, urbanismo e transporte público, a cidade será um caos.

Jogo de política: Democracy

Em Democracy, o jogador pode assumir o papel de presidente, primeiro-ministro e até de ditador de uma nação. Apesar de não ser muito rico em atrativos gráficos, o game compensa na constituição dos regimes de poder, retratada em detalhes. O “governante” vai sentir “na pele” os efeitos causados por suas medidas, nas ruas e nas urnas! O jogo dá até opções de manobras questionáveis para ‘manchar’ a imagem dos candidatos ao poder concorrentes.

Jogo de biologia: Spore

É muito interessante observar seu personagem, inicialmente uma criatura frágil, evoluir com o tempo, ganhar habilidades e conquistar o mundo. O jogador começar seu desafio como um simples micróbio que luta para se manter vivo no planeta. Com o tempo e, dependendo das escolhas que fizer, o jogador do DSpore poderá destravar novas formas de vida, desenvolver-se como uma nova criatura, unir-se em tribos, construir cidades e até conquistar novos territórios.

Jogo de filosofia, religião e física quântica: Bioshock Infinity

Bioshock Infinity já recebeu mais de 80 prêmios por não ter medo de abordar temas polêmicos. O jogo se passa em Columbia, cidade onde está prestes a eclodir uma guerra civil. De um lado, o governo ultranacionalista defende um Estado exclusivo para brancos. Do outro, um grupo de rebeldes, que luta para tomar o controle do poder e restabelecer direitos para cidadãos de todas as raças e religiões. Como se não bastasse, há fendas abertas no espaço-tempo, que usa conceitos da Teoria da Relatividade para explicar a aparição de estranhos elementos do futuro no passado.

Jogos de história

Battlefield – Por mais triste que seja, conhecer as grandes guerras mundiais é essencial para entender como o mundo funciona. O Battlefield recria com máxima fidelidade as batalhas, com armas, veículos, trajes e objetivos idênticos aos cumpridos pelos soldados na vida real. A primeira versão do jogo se passava na 2ª Guerra e transportava o jogador para as batalhas de Normandia, de Midway e de Guadalcanal, mas a franquia abordou combates contemporâneos com exércitos dos Estados Unidos e do Oriente Médio. Com lançamento programado para outubro, o novo Battlefield recriará a 1ª Guerra Mundial.

Assassin’s Creed – A franquia vendeu mais de 75 milhões de cópias ao redor do mundo. O segundo jogo da série se passa no período Renascentista, onde é possível observar grandes obras da arquitetura, como a Basílica de Santa Maria Del Fiori, em Florença (Itália), e até pedir ajuda a Leonardo Da Vinci para resolver um enigma.

God of War – Inspirado na mitologia grega, God of War virou um sucesso de público desde a primeira edição. O jogador vive Kratos, um semideus que comanda um exército em Esparta e enfrenta diversos dilemas morais que terão consequências no resultado final.

Jogo de física

Angry Birds – Aplicar o conceito de movimento parabólico é essencial para lançar o passarinho no alvo com precisão. O game envolve energia mecânica, energia potencial gravitacional, energia cinética, energia elástica, aceleração, velocidade, força, atrito, massa, impulso, trabalho e gravidade… ufa! Angry Birds foi baixado em 2 bilhões de celulares e ostentava o título de mais popular do planeta até a chegada do Pokémon Go.

(Com assessoria de imprensa)

Categorias: Notícias

Robson Leandro

Trabalha na Escola do Futuro da USP desde julho de 2006. Até maio de 2013 esteve no projeto Acessa SP passando pela Rede de Projetos, Formação (Programa de Capacitação Continuada) e pela coordenação do projeto. De 2013 até 2014 coordenou o ecossistema web da coordenadoria de juventude do estado de São Paulo. Retornou ao projeto Acessa SP em abril de 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *