Os jovens brasileiros acreditam que cursos de educação profissional são um importante caminho para conseguir o primeiro emprego. É o que aponta a pesquisa “Os jovens, a educação e o ensino técnico”, realizada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). De acordo com o levantamento, 72,4% dos 2.002 entrevistados, com idades entre 13 e 18 anos, citam pontos positivos desse tipo de formação, entre os quais “ser um bom começo na carreira profissional”, “ter boa aceitação nas empresas” e “preparar melhor para o mercado de trabalho”.

Entre os jovens que já fizeram cursos de educação profissional ou pretendem fazê-lo, 76,1% atribuíram grande importância a essa formação para conseguir o primeiro emprego. Os entrevistados deram notas 7, 8, 9 e 10 na pergunta: “Utilizando uma escala de 0 a 10, em que 0 é nenhuma importância e 10 é muita importância, qual o grau de importância que você acredita que um curso técnico tem para conseguir seu primeiro emprego?”.

Confira outros resultados da pesquisa:

– 42,3% dos entrevistados consideram bom o ensino técnico oferecido no Brasil; 29,1% o avaliam como regular; 7,6% como ótimo, 2,9% como ruim e 1,1% como péssimo. 15,7% não souberam opinar e 1,3% não responderam.

– 64,8% dos jovens não veem preconceito contra o profissional formado no ensino técnico no Brasil. Apenas 25,1% acreditam haver algum preconceito e 9,6% não souberam responder. Essa visão varia pouco segundo a região do país: 69,3% dos jovens do Sul não veem qualquer tipo de preconceito, enquanto essa foi a resposta de 58,3% dos jovens ouvidos no Nordeste. O índice é o mesmo (64%) entre alunos de escolas públicas e privadas e muda pouco entre jovens de baixa renda (63%) e de alta renda (65%).

– 53,2% sabem sobre as mudanças propostas na reforma do ensino médio. O conhecimento é maior no Sul (65,7%) e menor no Nordeste (45,9%). Os alunos de escolas particulares (61,4%) se dizem mais informados do que os de instituições públicas (52%). Entre os jovens que se dizem informados da reforma, 65,3% aprovam a inclusão do curso técnico como um dos caminhos de aprofundamento de formação para os alunos do ensino médio. Apenas 26,5% dos entrevistados se dizem contrários a essa mudança, 6% disseram não serem nem a favor nem contrários e 2% não souberam responder.

A aprovação à inclusão do curso técnico no ensino médio é maior entre moradores da região Sul (68,2%) e menor no Nordeste (63,9%); ligeiramente mais alta entre alunos de escolas particulares (69,3%) do que nas públicas (64,6%) e entre os próprios estudantes do ensino médio (67,2%) do que entre os jovens que cursam o ensino fundamental (63,2%).

– 16,8% já fizeram ou estão cursando ensino técnico e a satisfação com essa formação é grande: 73,5% atribuíram notas 7 ou superiores quando chamados a avaliar seu grau de realização ao fazer o curso. Quase metade (47,7%) de quem já fez algum curso de educação profissional também pretende fazer outro. A intenção é maior entre jovens do Sudeste (50,3%), alunos de escolas públicas (49,5%), aqueles que estão cursando o ensino fundamental (51,5%) e estudantes de baixa renda (62,5%). (Com assessoria de imprensa)


Robson Leandro

Trabalha na Escola do Futuro da USP desde julho de 2006. Até maio de 2013 esteve no projeto Acessa SP passando pela Rede de Projetos, Formação (Programa de Capacitação Continuada) e pela coordenação do projeto. De 2013 até 2014 coordenou o ecossistema web da coordenadoria de juventude do estado de São Paulo. Retornou ao projeto Acessa SP em abril de 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content