GettyImages.com/Pornchai Soda

A coordenação do programa AcessaSP realizou, pela primeira vez, uma pesquisa com os monitores do programa de inclusão digital com o objetivo de traçar o perfil desses profissionais. O levantamento foi realizado em novembro e teve a adesão de 225 postos, de um total de 454 em atividade naquele mês, e as questões foram respondidas por 287 monitores, ou 46% do total de 620 profissionais.

Do universo que respondeu à pesquisa, 71% trabalham em postos municipais (aqueles que funcionam em parceria do Estado com as prefeituras) e 29% em postos estaduais (parceria entre órgãos estaduais, como Poupatempo, CIC, CPTM, Metrô, secretarias e parques estaduais).

O resultado apontou que 54% dos monitores são do sexo feminino e 46% do masculino. Um total de 23% têm ensino superior completo e 26% o ensino superior incompleto. Outros 38% têm ensino médio completo.

A pesquisa mostrou que a idade dos monitores é bem variada. Dois deles têm apenas 16 anos e o mais velho tem 70 anos de idade. Com exceção desses casos, há monitores nas diversas faixas etárias: 15% estão na faixa de 18 a 23 anos; 14% têm entre 24% e 29 anos; 13% de 30 a 35; 13% de 36 a 41; 14% de 42 a 47; 13% de 48 a 53; 11% de 54 a 59; e 5% acima de 60 anos.

O levantamento revelou que 20% dos monitores trabalham há menos de 6 meses em um posto do AcessaSP; 14% de 6 meses a 1 ano; 19% de 1 a 3 anos; 20% de 3 a 6 anos; 18% de 6 a 10 anos e 9% estão há mais de 10 anos no programa.

A grande maioria, 56%, é formada por funcionário público concursado e apenas 3% são funcionários públicos comissionados. Há também funcionários terceirizados, um contingente de 25%; e outros 13% são estagiários. 50% dos monitores têm renda familiar mensal entre dois e três salários mínimos; 19% entre quatro e cinco salários mínimos; 11% vivem com até um salário mínimo e apenas 6% têm renda familiar acima de cinco salários. 14% não quiseram responder a essa questão.

A pesquisa também mediu o conhecimento desses profissionais em relação à informática e assuntos relacionados à inclusão digital: a grande maioria conhece o editor de texto OpenOffice; planilha eletrônica, sites de busca; sistemas operacionais (Linux, Chrome, Firefox); têm conhecimento sobre educação a distância e serviços de governo eletrônico.

Esse conhecimento é importante porque muitos monitores ajudam os usuários com pouca familiaridade com a internet a navegar pela rede, criar e enviar e-mails, usar as redes sociais, fazer e enviar currículos, entre outras atividades.


1 comentário

Fernando Goncalves · 11/02/2019 às 12:14

Bom dia, esteja bem !

O Monitor ( Facilitador ) de uma Sala ACESSA SP ( Telecentro ) deve ser estimulado, motivado, apoiado na busca pelo domínio e compartilhamento de saberes e fazeres sobre a SOLUÇÃO ACESSA LIVRE e a Filosofia GNU e Como Funciona um Telecentro.
Por estar no atendimento direto ao público lhe é de grande valia ser levado a conhecer e aplicar as Boas Práticas de atendimento ao Público.

Assim, as Salas ACESSA SP serão Centros de Inclusão onde é Compartilhado conhecimento sobre as Liberdades de Uso da Tecnologia Digital.

É isso !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content